Lula diz ao PT para escolher outro candidato às eleições presidenciais

O ex-Presidente do Brasil Lula da Silva, preso por corrupção, deu luz verde ao seu partido para encontrar outro candidato para as próximas eleições presidenciais no Brasil porque provavelmente estará fora da corrida.
"Eu gostaria que vocês se sentissem completamente livres para tomar qualquer decisão porque 2018 é um ano muito importante para o PT, para a esquerda e para a democracia [do Brasil]", escreveu Lula da Silva numa carta enviada à líder do seu partido, a senadora Gleisi Hoffmann.

O Partido dos Trabalhadores (PT), no entanto, confirmou rapidamente a continuidade da sua candidatura.

Um dirigente político do PT, Alexandre Padilha, colocou um vídeo na rede social Facebook em que Gleisi Hoffmann aparece a ler parte da carta enviada por Lula da Silva.

Logo após a publicação deste vídeo, Gleisi Hoffmann indicou na sua conta no Facebook que o PT mantinha a candidatura de Lula da Silva.

"As pessoas querem que Lula esteja livre e que Lula seja Presidente! Não há plano B porque Lula é inocente", escreveu.

O PT também não tem um Plano B já que nenhum outro líder tem o carisma ou a experiência do antigo chefe de Estado brasileiro, que deixou o Governo com 83% de aprovação em 2010, mas acabou envolvido numa série de escândalos de corrupção.

Na carta, Lula da Silva disse estar "feliz" com o resultado da última pesquisa Datafolha, na qual aparece a liderar as intenções de voto para as presidenciais com 31%.

Condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e branqueamento de capitais, o antigo chefe de Estado começou a cumprir pena no passado dia 07 de abril, na sede da Polícia Federal na cidade de Curitiba.

Na noite de segunda-feira, os seus advogados entraram com novos processos legais contra sua prisão.

Lula da Silva até agora só foi visitado pelos seus advogados e familiares, mas alguns dos seus amigos, como a ex-Presidente Dilma Rousseff, que lhe sucedeu no cargo, e outros políticos brasileiros, não tiveram autorização para o visitar.

 Morreu o último urso polar tropical do mundo

Tinha 27 anos e morreu vítima de doenças relacionadas com a idade.

O único urso polar nascido nos trópicos morreu, em Singapura, vítima de doenças relacionadas com a idade.

A notícia foi dada pelo próprio zoo de Singapura através de um comunicado difundido na rede social Facebook. “Apesar dos melhores esforços da sua equipa , a condição de Inuka piorou e tomámos a difícil, mas necessária, decisão de não o reanimar”, lê-se.

Inuka nasceu no zoo, a 26 de dezembro de 1990, e lá viveu até aos 27 anos, superando em dois anos a expetativa média de vida de ursos em cativeiro.

A presença de ursos polares no zoo de Singapura foi, desde sempre, alvo de controvérsia entre ambientalistas e ativistas dos direitos dos animais. E facilmente se percebe porquê: o clima de Singapura está longe de ser o clima do habitat natural de um urso polar, uma espécie nativa do ártico.

Contudo, Inuka, o quarto urso polar a nascer no zoo de Singapura, viveu num espaço com o clima controlado, para que o ambiente fosse o mais parecido com o que seria o seu habitat.

Ambientalistas e ativistas dos direitos dos animais iniciaram, ainda em 1978, uma campanha contra a presença de ursos polares neste jardim zoológico, tendo, em 2006, sido anunciado pelo parque, após várias discussões sobre o bem-estar animal, que o parque não teria mais ursos polares depois de Inuka, recorda a BBC.

ASSEDIO_SEXUAL.jpg

Parceiros de educação dizem que o assédio sexual constitui um dos principais problemas de desistência da rapariga na escola.
A constituição foi expressa, ontem em Maputo, por Ysabel blanco durante a cerimónia do lançamento da semana de Acção Globaí de Educação para Todos.

imagens-do-dia-best-pictures-of-day-20130826-10-size-598.jpg

Membros de nove instituições internacionais americanas e brasileiras estão em Moçambique no âmbito do desenvolvimento das acções de cancro no país.

Trata-se de MD Anderson Cancer Center, Hospitais de Cancro de Barretos, AC Camargo, Instituto de Cancer dos Estados Unidos da América e outras bem como empresários destes países estarão em Moçambique até ao dia 27 do mês corrente para realizar actividades nos Hospitais Centrais de Maputo, da Beira e o Hospital Geral de Mavalane.

A equipa é composta por dezassete especialistas que farão, no país, grandes cirurgias oncológicas nas áreas de ginecologia, cirurgia da mama e Hematologia bem como a formação em colposcopia e LEEP em Maputo e Beira, início do projecto piloto do HPV entre outras actividades.

A equipa, que já se encontra no país, vai trabalhar nos hospitais de nível central e abrangerá a formação na zona Sul, Centro e Norte.

Esta é a 12ª missão em Moçambique, tendo a 1ª sido realizada em 2014, por membros das mesmas instituições.

PROVA_DE_VIDA.jpg

Arranca na próximo quinta-feira a prova de vida dos pensionistas do Instituto Nacional de Segurança Social na cidade de Maputo.
O processo deverá registar mais de vinte mil pensionistas. 

SINDICALIZACAO.jpg

A OTM-CS refere que o excesso de burocracia e dificuldades no processo de reconhecimento de documentos pessoais nos serviços notariados impedimentos para a celeridade do processo da sindicalização na função pública.
O maior movimento sindical do país, apela a participação massiva dos trabalhadores a nível nacional nas comemorações do dia 1 de Maio para de forma pacífica, manifestar pelos direitos dos trabalhadores e repudiar as violações laborais dos moçambicanos.

naom_5ade5bb080112.jpg

A ferramenta inovadora foi apresentada na semana passada pela Universidade de Waterloo, na Bélgica.

Como alternativa ao preservativo – não enquanto método contracetivo mas apenas de proteção contra doenças sexualmente transmissíveis -, um grupo de cientistas belgas criou um dispositivo de impede a transmissão do vírus HIV.

Apresenta-se como um implante vaginal e impede que grande parte das células presentes no trato genital da mulher seja atingida pelo vírus da SIDA. Fá-lo ao contrariar a própria imunidade natural que o corpo humano usa como defesa.

Como é explicado no site oficial da instituição onde a descoberta foi desenvolvida, o vírus HIV infeta o corpo ao ‘apoderar-se’ das células T, que são mobilizadas pelo sistema imunitário de qualquer indivíduo quando o corpo se sente ameaçado pelo próprio vírus. Com o referido implante vaginal, as células mantêm-se inativas, ou seja, não agem para combater o vírus, impedindo assim que o mesmo se propague.

Segundo os especialistas, este será um método mais viável que os métodos via oral que nunca conseguirão tal efeito na zona da vagina. Os cientistas apontam contudo que ainda precisam de futuras pesquisas para perceber se esta será uma opção que previne a transmissão do HIV de forma isolada ou se deverá ser usada em conjunto com outras estratégias de prevenção.

Conta Emmanuel Ho, um dos autores da descoberta, que a mesma partiu de estudos anteriores onde se observou que algumas mulheres não contraíram o vírus da SIDA após praticarem relações sexuais com homens infetados pelo mesmo. Em comum a todas as mulheres, está a falha no sistema imunitário que nãos lhes permitia que as células agissem contra o próprio HIV – uma ‘falha’ que agora foi replicada.

naom_5ade406697b7b.jpg

O Presidente francês, Emmanuel Macron, chegou hoje aos Estados Unidos para iniciar uma visita de Estado durante a qual manterá dois dias de contactos com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, e proferirá um discurso no Congresso.

Macron é o primeiro Presidente homenageado com uma visita e um jantar de Estado nos 15 meses de Trump na Casa Branca, e espera-se que nos seus encontros falem sobre os planos de Washington quanto ao acordo nuclear com o Irão, a situação na Síria e a relação comercial entre os Estados Unidos e a União Europeia (UE).

"É uma grande honra e uma visita de Estado muito importante, dado o contexto atual", disse o Presidente francês à imprensa ao aterrar na base aérea de Andrews, nos arredores de Washington.

"Teremos a oportunidade de conversar sobre vários temas bilaterais, como a segurança e o comércio, e muitos temas multilaterais que são muito importantes além das nossas fronteiras", disse Macron em inglês, acrescentando depois em francês que também debateria com Trump "o meio ambiente".

O chefe de Estado francês viaja acompanhado da mulher, Brigitte, e deverão hoje jantar com Trump e a mulher, Melania, na histórica residência do primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington, conhecida como Mount Vernon e situada na Virgínia, perto de Washington.

Na terça-feira, Macron terá uma reunião bilateral e uma conferência de imprensa com Trump, seguida de uma visita ao Departamento de Estado e um jantar de Estado; e na quarta-feira, o Presidente francês proferirá um discurso perante o Congresso norte-americano.

"Será uma visita de Estado muito produtiva e positiva para ambos os países", disse hoje a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, na conferência de imprensa diária.

"Os dois líderes têm um grande respeito mútuo, uma grande amizade", que lhes permite terem conversações "francas", acrescentou.

Trump é o primeiro Presidente norte-americano em décadas a não convidar alguém para uma visita de Estado no seu primeiro ano no poder, e o facto de ter escolhido Macron demonstra que considera ter uma boa relação com o homólogo francês.

naom_5ade406697b7b.jpg

O Presidente francês, Emmanuel Macron, chegou hoje aos Estados Unidos para iniciar uma visita de Estado durante a qual manterá dois dias de contactos com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, e proferirá um discurso no Congresso.

Macron é o primeiro Presidente homenageado com uma visita e um jantar de Estado nos 15 meses de Trump na Casa Branca, e espera-se que nos seus encontros falem sobre os planos de Washington quanto ao acordo nuclear com o Irão, a situação na Síria e a relação comercial entre os Estados Unidos e a União Europeia (UE).

"É uma grande honra e uma visita de Estado muito importante, dado o contexto atual", disse o Presidente francês à imprensa ao aterrar na base aérea de Andrews, nos arredores de Washington.

"Teremos a oportunidade de conversar sobre vários temas bilaterais, como a segurança e o comércio, e muitos temas multilaterais que são muito importantes além das nossas fronteiras", disse Macron em inglês, acrescentando depois em francês que também debateria com Trump "o meio ambiente".

O chefe de Estado francês viaja acompanhado da mulher, Brigitte, e deverão hoje jantar com Trump e a mulher, Melania, na histórica residência do primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington, conhecida como Mount Vernon e situada na Virgínia, perto de Washington.

Na terça-feira, Macron terá uma reunião bilateral e uma conferência de imprensa com Trump, seguida de uma visita ao Departamento de Estado e um jantar de Estado; e na quarta-feira, o Presidente francês proferirá um discurso perante o Congresso norte-americano.

"Será uma visita de Estado muito produtiva e positiva para ambos os países", disse hoje a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, na conferência de imprensa diária.

"Os dois líderes têm um grande respeito mútuo, uma grande amizade", que lhes permite terem conversações "francas", acrescentou.

Trump é o primeiro Presidente norte-americano em décadas a não convidar alguém para uma visita de Estado no seu primeiro ano no poder, e o facto de ter escolhido Macron demonstra que considera ter uma boa relação com o homólogo francês.

24065309.jpg

O ex-Presidente norte-americano George H. W. Bush, de 93 anos, foi hospitalizado no Texas no domingo, um dia após as exéquias da mulher, Barbara, devido a "uma infeção que se disseminou no sangue", anunciou hoje o seu porta-voz.

"O Presidente Bush foi admitido no hospital Houston Methodist no domingo de manhã, depois de ter apanhado uma infeção que se disseminou no sangue. Está a responder aos tratamentos e parece estar a recuperar", escreveu o seu gabinete num comunicado replicado via rede social Twitter pelo seu porta-voz, Jim McGrath.

O republicano que foi o 41.º Presidente dos Estados Unidos, entre 1989-1993, depois de ter sido vice-presidente de Ronald Reagan, sofre da doença de Parkinson, o que o obriga há vários anos a deslocar-se de cadeira de rodas.

Foi na mesma cidade texana de Houston que se realizaram, no sábado, as cerimónias fúnebres de Barbara Bush, o pilar de uma das maiores famílias políticas do país, que morreu a 17 de abril, aos 92 anos.

George H. W. Bush, seu marido durante 73 anos, esteve presente, apertando a mão de muitos convidados.

Juntos, os Bush tiveram cinco filhos, entre os quais George W. Bush, presidente entre 2001 e 2009, 17 netos e sete bisnetos.

Pág. 1 de 166

PROGRAMAÇÃO DE TV

Câmbio do Dia

Moeda Compra Venda
EUR 72.22 73.66
USD 59.10 60.28
ZAR 4.79 4.89
Fonte: BCI, 25 de Abril de 2018

Telefones Úteis

Por provincia

Assista a emissão em directo:

tvm1 smalltvm2 small